29 de abr de 2015

Functional neurologic recovery in two dogs diagnosed with severe luxation of the vertebral column

Recuperação da função neurológica em dois cães com deslocamento grave da coluna vertebral

 Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 36, n. 2, p. 901-908, mar./abr. 2015

Mônica Vicky Bahr Arias; Daniela Scapini Mendes; Nazilton de Paula Reis Filho

 Abstract: Traumatic injuries to the vertebral column, spinal cord, and cauda equina nerve roots occur frequently in human and veterinary medicine and lead to devastating consequences. Complications include partial or complete loss of motor, sensory, and visceral functions, which are among the main causes of euthanasia in dogs. The present case report describes neurological functional recovery in two dogs that were treated surgically for severe spinal fracture and vertebral luxation. In the first case, a stray, mixed breed puppy was diagnosed with thoracolumbar syndrome and Schiff-Scherrington posture, as well as a T13 caudal epiphyseal fracture with 100% luxation between vertebrae T13 and L1; despite these injuries, the animal did show deep pain sensation in the pelvic limbs. Decompression through hemilaminectomy and spinal stabilization with vertebral body pins and bone cement were performed, and the treatment was supplemented with physiotherapy and acupuncture . In the second case, a mixed breed dog was diagnosed with a vertebral fracture and severe luxation between L6 and L7 after a vehicular trauma, but maintained nociception and perineal reflex. Surgical stabilization of the spine was performed using a modified dorsal segmental fixation technique Both patients showed significant recovery of neurological function. Complete luxation of the spinal canal observed radiographically does not mean a poor prognosis, and in some cases, motor, sensory, and visceral functions all have the potential for recovery. In the first case the determining factor for good prognosis was the presence of deep pain perception, and in the second case the prognosis was determined by the presence of sensitivity and anal sphincter tone during the initial neurological examination.

Resumo: Lesões traumáticas à coluna vertebral, medula espinhal e raízes nervosas da cauda equina ocorrem frequentemente na medicina veterinária e humana, levando a sequelas devastadoras, como perda parcial ou completa das funções motoras, sensoriais e viscerais, sendo a ocorrência destas sequelas uma das principais causas de eutanásia em cães. O objetivo do presente trabalho é relatar a recuperação da função neurológica em dois cães com fratura vertebral e deslocamento do canal medular de mais de 100% tratados cirurgicamente. O primeiro caso ocorreu em um filhote de cão sem raça definida (SRD) encontrado na rua com síndrome toracolombar e presença de postura de Schiff-Scherrington, constatando-se fratura em epífise caudal do corpo vertebral de T13 com luxação grave entre as vértebras T13 e L1, porém o animal apresentava sensibilidade dolorosa profunda em membros pélvicos. O tratamento utilizado neste caso foi descompressão através de hemilaminectomia e estabilização da coluna com pinos nos corpos vertebrais e cimento ósseo, além de fisioterapia e acupuntura. O segundo caso ocorreu em cão SRD atropelado, que apresentou fratura e luxação entre L6, L7 e grande desvio entre os fragmentos, que porém apresentava nocicepção e reflexo perineal preservado. O tratamento realizado foi a estabilização da coluna através da técnica de fixação segmentar dorsal modificada. Ambos os pacientes apresentaram recuperação significativa da função neurológica, permanecendo com discreta paresia de membros posteriores. O deslocamento de 100% do canal vertebral à avaliação radiográfica não significa prognóstico ruim, havendo em alguns casos chance de recuperação das funções motoras, sensoriais e viscerais. No primeiro caso o fator determinante para o bom prognóstico foi a presença de percepção da dor profunda, e no segundo caso, o prognóstico foi determinado pela presença de sensibilidade e tônus no esfíncter anal durante o exame neurológico inicial.


Nenhum comentário:

Postar um comentário