21 de mai de 2013

Infartos em região encefálica caudal em gata filhote – relato de caso

Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 34, n. 2, p. 817-822, mar./abr. 2013


Lucas Alécio Gomes; Giórgio Queiroz Pereira,
Vítor Solano de Melo,
 Selwyn Arlington Headley



Link:
http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/semagrarias/article/view/12782/pdf

Resumo: Em animais é baixa a incidência de arterosclerose e hipertensão primária. Devido a tal característica,  infarto cerebral é incomum nos mesmos. Entretanto, com o avanço das modalidades de imagem, doença  vascular está sendo reconhecida com maior frequência na medicina veterinária. Doença cerebrovascular pode ser subdividida em infarto e hemorragia, embora as duas categorias se interponham no caso de  infartos hemorrágicos. Assim sendo, o objetivo deste artigo é descrever as manifestações neurológicas associadas a acidente vascular (infartos) em uma gata de dois meses de idade, sem raça definida e  domiciliada. Na avaliação neurológica observou-se inclinação de cabeça, tetraparesia, déficits proprioceptivos nos quatro membros e diminuição do reflexo pupilar a luz. Além disso, os problemas  neurológicos foram agudos e progressivos. Na necropsia macroscopicamente detectou-se hemorragia  e necrose no mesencéfalo e cerebelo. No exame histopatológico confirmou-se a presença de necrose  liquefativa no mesencéfalo e cerebelo. Os sinais neurológicos associados com os achados patológicos  são sugestivos de infarto levando a anóxia provavelmente devido à oclusão vascular.

Caudal brain infarctions in a kitten – case report

Abstract:: Stroke is uncommon in animals compared with humans because of the lower incidence of atherosclerosis  and primary hypertension. However with advanced imaging, vascular disease is being recognized with  increasing frequency in veterinary medicine. Cerebrovascular disease can be subdivided into infarction  and hemorrhage, although the two categories overlap in the case of hemorrhagic infarcts. The aim of this article is to report the neurological manifestations associated with stroke (infarctions) in at two-month old, domestic shorthair cat. Neurological evaluation revealed head tilt, tetraparesis, proprioceptive  deficits in all four limbs, and decreased pupillary light reflex. Further, manifestations of neurological  dysfunctions were acute and progressive. At the necropsy, grossly there were hemorrhage and necrosis  at mid-brain and cerebellum. Histopathology confirmed liquefactive necrosis at the mid-brain and  cerebellum. The neurological manifestations associated with the pathological findings are suggestive of  an anoxic infarction probably due to vascular occlusion.


14 de mai de 2013

Uso terapêutico da associação do omeprazol com corticóide em um cão com hidrocefalia não-responsiva ao tratamento convencional


Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 34, n. 2, p. 805-810, mar./abr. 2013

Alexandre Mendes Amude; Rosana Zanatta, Raquel de Souza Lemos,  Lidiane Pelegrini,  Katiuzi Quadros Alba, Fernanda Viccini,  Amauri Alcindo Alfieri

Link: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/semagrarias/article/view/10667/pdf

Resumo: O tratamento médico para a hidrocefalia inclui a administração de medicamentos para limitar a produção  do fluido cerebroespinhal (FCE), resultando em redução da pressão intracraniana (PIC). Este trabalho  descreve os achados clínicos em um cão com hidrocefalia congênita não responsiva ao tratamento médico convencional com esteróides, mas que apresentou boa resposta à associação omeprazolesteróides. O omeprazol pode diminuir a produção de FCE em cerca de 26% de acordo com estudos  experimentais realizados com cães saudáveis. Porém, o uso do omeprazol em ensaios clínicos com cães  enfermos, como os animais hidrocefálicos, não é descrito. Os resultados deste trabalho sugerem que  o omeprazol pode ser empregado em associação ao corticóide para melhorar o estado neurológico em  cães com aumento da PIC devido à hidrocefalia.

Therapeutic usage of omeprazole and corticoid in a dog with  hydrocephalus unresponsive to conventional therapy

Abstract: Medical therapy for hydrocephalus includes the administration of medications to limit the production of  the cerebrospinal fluid (CSF) resulting in reduced intracranial pressure (ICP). This report describes the  clinical findings in one dog with congenital hydrocephalus that was unresponsive to conventional medical  treatment with steroids, but demonstrated good response to omeprazole when this drug was added to  the steroid. Omeprazole might decrease the CSF production by about 26% according to experimental  studies with healthy dogs, but the usage of the omeprazole in clinical trials with affected dogs such as  hydrocephalic animals is lacking. The results of this report might suggest that omeprazole can be used  added to steroids to ameliorate the neurological status in dogs with increased ICP by hydrocephalus.




6 de mai de 2013

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO EM PEQUENOS ANIMAIS


Vet. e Zootec. 2013; 20 (Edição Comemorativa): 112-123
http://www.fmvz.unesp.br/rvz/index.php/rvz/article/view/656/449



Emerson Gonçalves Martins Siqueira, Sheila Canevese Rahal, Flávia Gardilin Vassalo, Fábio André Pinheiro de Araújo, Felipe Stefan Agostinho
RESUMO: Devido à importância do trauma cranioencefálico (TCE) em pequenos animais, o presente 

trabalho teve por objetivos discorrer sobre a fisiopatologia da afecção, os procedimentos  terapêuticos pré-hospitalares e hospitalares, além de considerações relacionadas aos cuidados  no transporte e manejo inicial do paciente imediatamente após o trauma. O profissional deve  identificar o TCE pré-hospitalar e tratar o paciente como um indivíduo politraumatizado,  incluindo os cuidados com a imobilização. Na terapia hospitalar os procedimentos de  craniotomia são importantes, sobretudo para retirada de coágulos. Além disso, o uso de  glicocorticóides precisa ser evitado devido aos efeitos secundários. Por outro lado, 
associações terapêuticas como a do manitol com a furosemida aumentam as perspectivas de  sucesso.



TRAUMATIC BRAIN INJURY IN SMALL ANIMALS 
ABSTRACT  Due to the importance of traumatic brain injury (TBI) in small animals, the aim of this review 
was to discuss the pathophysiology of the disease, the pre-hospital and hospital therapeutic  procedures, as well as considerations related to transport and initial care of the patient  immediately after trauma. The professional must identify the pre-hospital TBI and treat the  victim as a polytraumatized patient, including immobilization. In hospital therapy the  procedures of craniotomy are important, especially to remove blood clots. In addition, the use of glucocorticoids must be avoided because of side effects, but combination therapies such as  mannitol with furosemide increase the probability of success.