24 de jun de 2008

QUAL O SEU DIAGNÓSTICO?

Observe os exames neurológicos das pacientes 1 e 2. Qual o significado dessas alterações? (não o diagnóstico da doença, e sim a localização da lesão, classificação da lesão medular, diferença entre os quadros clínicos e significado clínico)

1) Paciente SRD, encontrada abandonada há 2 meses, paraplégica. Havia sido diagnosticado fratura compressiva entre vértebras T13-L1. Foi tratada e agora foi trazida para consulta por apresentar um andar incoordenado. Observa-se no exame que apesar da paciente caminhar, há ataxia e diminuição das reações posturais em membros posteriores. Os reflexos são difícies de serem realizados nestes membros, pois a paciente apresenta espasticidade e extensão dos mesmos em momentos aleatórios. Reflexo interdigital presente e sensibilidade profunda ausente.

2) Teckel de 5 anos, com paraplegia aguda há 2 dias. Reações posturais ausentes em membros posteriores, reflexos espinhais presentes nos posteriores, reflexo interdigital e sensibilidade profunda presentes em membros posteriores.

5 comentários:

  1. Caso 2 parece ser uma doença do Disco intervetebral. Correto?

    ResponderExcluir
  2. os casos apesar de semelhante aprensentam uma fundamental diferencia a dor profUnda, que é a base para a posição do prognostico,no 1 caso esta ausente com prognostico ruim a sombrio, já no 2 exite, tendo um prognostico bom.
    Quanto ao grau das lesões ambos são d 2 grau, pois tem ataxia, paraparesia.
    A localização da lesão da lesão no primeiro caso esta entre t3-l3, pelo aumento de tonicidade muscular, e o segundo caso provavelmente é no mesmo local.

    ResponderExcluir
  3. a diferença é que o 1 caso provavel encaminhamento para um carrinho, pois a ausencia de dor profunda, dificulta as chances de voltar a andar, mesmo tentando uma cirurgia apesar do tempo, a região parece ser a toraco lombar, que é a mais comum; no segundo parece ser a mesma região e envolvimento de n.m. superior devido a espacidade, esse tem mais chance de recuperação, cirurgico .
    o blog está cada vez melhor..não para. rsrr um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Os dois casos referem-se a lesões na região toracolombar.
    Sendo o primeiro caso de grau 5 (ele tem andar espinhal?) e o segundo caso uma lesão medular de grau 3.
    As principais diferenças entre os dois casos podem ser indicados pelo grau da lesão, o tipo de doença envolvida e o tempo após a lesão, o que vão interferir no prognóstico do animal.
    O primeiro caso por se tratar de uma lesão traumática e por ter decorrido um tempo considerável desde o inicio do quadro tem um prognóstico ruim, ele poderia ter algum sucesso se a descompressão medular cirurgica fosse realizada com até 48hrs após o trauma.
    O Segundo caso por se tratar de uma grau 3 e ter decorrido um prazo pequeno, é considerado que o prognóstico é bom se for realizado tratamento cirurgico imediato. Tratamento médico não é indicado para este caso.
    Um outro fator que favorece Teckel é o fato de provavelmente se tratar de uma DDIV, que tem um prognóstico melhor que um trauma grave.


    Abraços e boas férias para todos.

    MURILO -- 4 UEL

    7 de Julho de 2008 16:35

    ResponderExcluir