24 de abr de 2008

QUAL O SEU DIAGNÓSTICO?

Uma cadela Poodle de 7 anos foi trazida para consulta devido à cegueira , de início súbito há 3 semanas. O proprietário também relatou a ocorrência de 3 episódios convulsivos generalizados há 9, 7 e 6 meses atrás, que não foi tratado até a consulta. Com exceção deste problema o exame clínico foi normal. No exame oftálmico descartou-se causas oculares, apesar de haver leve opacidade de lente bilateral e pontos de opacidade em córnea bilateral. O fundo de olho estava normal.

No exame neurológico constatou-se midríase bilateral não responsiva à luz e cegueira.


Pergunta-se:

a) qual a localização neuroanatômica da lesão?
b) quais os diagnósticos diferenciais?
c) quais os exames complementares indicados?


5 comentários:

  1. A) A lesão localiza-se em nervo óptico bilateralmente ou quiasma óptico, devido aos sinais clínicos de cegueira e ausência de reflexo fotomotor direto e consensual.
    B) A inflamação do nervo óptico tem como principais causas as infecciosas ou distúrbios do sistema imunológico após as infecções virais. Em alguns casos há suspeita de etiologia imunopatológica:
    - MEG – Doença inflamatória não supurativa do SNC, cujas lesões podem ocorrer em qualquer parte desse sistema, embora pareçam ter predileção pelo cérebro. Essa patologia tem alta ocorrência em fêmeas de raças toy, jovens ou de meia idade. A apresentação ocular da doença causa neurite do nervo óptico ou do quiasma, levando aos sinais clínicos apresentados pelo animal. É a forma menos comum da doença, que também pode apresentar-se nas formas disseminada ou focal;
    - Cinomose- o vírus tem afinidade pelos tecidos linfóide, epitelial e nervoso, inclusive nervo óptico e olho, levando à neurite óptica, e pode gerar sinais clínicos como convulsão;
    - Erliquiose – causa grande variedade de sinais clínicos no sistema nervoso incluindo hiperestesia, contorções musculares e déficit de nervos cranianos. Em sua manifestação oftálmica, a doença também pode causar opacidade de córnea, uveíte anterior, hifema, lesões coriorretinais focais, entre outros;
    - Toxoplasmose- os sinais clínicos dependem da localização do parasita no SNC, cuja multiplicação leva a episódios convulsivos, déficit de nervos cranianos, ataxia, tremores e paresia ou paralisia;
    - Criptococose- essa doença acomete mais gatos do que cães e, com baixa freqüência, leva a neurite óptica;
    - Bacteremias;
    - Neoplasias;
    - Deficiência de vitamina A;
    - Reações a fármacos.

    C) Os exames complementares indicados seriam:
    - Hemograma completo, que poderia identificar uma infecção, seja viral ou bacteriana, trombocitopenia (freqüentemente encontrada nas infecções por Ehrlichia sp.);
    - Exame de LCR, que pode apresentar-se normal, ou aumento de proteínas e pleocitose, principalmente aumento de linfócitos, que pode indicar infecção viral ou MEG (nesse último caso -MEG- também podem ser encontradas células grandes, mononucleares parecendo anaplásicas, consideradas diagnósticas da condição);
    - PCR de sangue, urina ou LCR para cinomose;
    - Esfregaço de sangue periférico e PCR sanguíneo para erliquiose;
    - Tomografia computadorizada para descartar neoplasia;
    - Cultura fúngica para blastomicose e criptococose.
    Há possibilidade de todos os exames estarem normais nos casos de MEG, então, após descartar as causas infecciosas, pode-se realizar o diagnóstico terapêutico com corticoidoterapia.

    ResponderExcluir
  2. 1-provavelmente o local da lesão esta entre o quiasma optico e o cortex occiptal, o que indicaria os provaveis causas da cegueira e convulsòes.
    2-os diagnosticos diferenciais possiveis são traumatismos, MEG, encefalite infecciosa.
    3- os exames complementares seriam analise de liquor, avaliação por TC ou RM, hemograma e bioquimico.

    ResponderExcluir
  3. e a leshimaniose pode causar cegueira?

    ResponderExcluir
  4. Olá professora.
    Encontrei teu blog pesquisando sobre lesão de medula em cães e foi tudo muito esclarecedor: meu caozinho (YorkShire) foi atropelado e não sabemos bem sobre as sequelas da lesao de medula. O veterinário prescreveu dipirona, antinflamatório e antibiótico e disse que depois de uma semana poderia avaliar o quadro.
    Estamos muitos tristes. Eu queria que o Billy tivesse um tratamento adequado, quando vi que leciona na UEL, pensei que pudesse ser uma esperança para ele. Conhecemos o pessoal do IAPAR, e eles constantemente vão à Londrina, inclusive no fim de semana e se o Billy fosse aceito, eu estaria disposta a remete-lo a seus cuidados, para estudos, porque tudo que e pretendo é que ele tenha o melhor e eu não me conformo por estar dando a ele apenas uns remedinhos. meu msn/email é: denisetasca741@hotmail.com. Por favor responda, mesmo que seja para dizer que o caso nao interessa, ou para indicar outros caminhos. Um grande abraço e de qualquer forma, encontra-la foi um alento. Atenciiosamente. Denise

    ResponderExcluir
  5. Olá professora.
    Encontrei teu blog pesquisando sobre lesão de medula em cães e foi tudo muito esclarecedor: meu caozinho (YorkShire) foi atropelado e não sabemos bem sobre as sequelas da lesao de medula. O veterinário prescreveu dipirona, antinflamatório e antibiótico e disse que depois de uma semana poderia avaliar o quadro.
    Estamos muitos tristes. Eu queria que o Billy tivesse um tratamento adequado, quando vi que leciona na UEL, pensei que pudesse ser uma esperança para ele. Conhecemos o pessoal do IAPAR, e eles constantemente vão à Londrina, inclusive no fim de semana e se o Billy fosse aceito, eu estaria disposta a remete-lo a seus cuidados, para estudos, porque tudo que e pretendo é que ele tenha o melhor e eu não me conformo por estar dando a ele apenas uns remedinhos. meu msn/email é: denisetasca741@hotmail.com. Por favor responda, mesmo que seja para dizer que o caso nao interessa, ou para indicar outros caminhos. Um grande abraço e de qualquer forma, encontra-la foi um alento.

    ResponderExcluir